Peter Drucker mentiu? A cultura devora a estratégia no café da manhã

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Peter Drucker é chamado por alguns de “pai da gestão moderna” e, de fato, tem alguns méritos nisso. Sempre questionou certos paradigmas da administração em sua época. Por exemplo, foi um dos primeiros a dizer que o cliente deve ser o foco de uma empresa, e não o produto. Hoje, décadas após, a experiência do usuário (UX) e o marketing centrado no cliente são muito falados. Outra notável e inovadora forma de pensar foi a frase que até hoje é pouco compreendida (e menos ainda utilizada na prática): “A cultura devora a estratégia no café da manhã”.

 

Como você constrói a estratégia de um negócio? Back to basics. Primeiro se observa o cenário em que está inserido, como concorrência, público, crescimento, pontos fracos, ameaças, pontos fortes e oportunidades. Depois se desenha um planejamento estratégico, com metas menores, objetivos maiores e ações que deverão ser tomadas para alcançá-los. Mas qual é o problema disso tudo na prática?

 

Perceba que toda estratégia é baseada em uma espécie de “futurologia”. Você está tentando prever o cenário, como estará o mercado, do que seu público gosta, como o cliente vai reagir, quem será a sua a concorrência e outros fatores. Só há uma coisa que podemos ter certeza nessa vida, principalmente no mundo dos negócios e no mercado: Nunca vai ser do jeito que você planejou! O mercado vai mudar, a cultura vai mudar, vai entrar um concorrente novo, pode surgir algo disruptivo… Enfim, muita coisa certamente vai mudar! O mercado e negócios são “organismos vivos” em constante mudança (e cada vez mais rápidas).

 

Como já disse Mike Tyson: “Todo mundo tem um plano até tomar um soco na cara”. Nesse momento (do soco) só lhe resta usar o que você tem ali na hora: cabeças pensantes, motivadas em torno de um objetivo maior e com grande capacidade de adaptação (sem perder a essências e os valores centrais). Isso é a cultura, é como você reage ao inesperado em qualquer situação.

 

Em um time que tem cultura, com valores iguais e ambição semelhante, vemos a magia acontecer: todos se ajudam e se adaptam. Independente do seu cargo específico e do cenário em que estão inseridos. E cada empresa é completamente diferente, mesmo que esteja em um mesmo segmento e por mais que você tente implantar a mesma cultura. Por que? Porque depende das pessoas que estão ali.

 

Então o grande lance é: não tente imitar cultura, mas tenha uma cultura própria forte e clara. Se a cultura está bem implantada, a equipe se virar e dar um jeito. A estratégia tem prazo de validade. Se você tem só estratégia e não tem cultura, cedo ou tarde sua estratégia vai para o saco e vai precisar mudar. Se você não cultura, a equipe vai se adaptando, vai entendendo o que é o novo cenário e já vai nadando contra o que foi. O famoso “trocar a roda com o carro andando”.

 

E a cultura não é só isso, é como um “ar” diferente que cada casa tem. Sabe quando você chega num estabelecimento e o atendimento é diferenciado? Cada restaurante tem um clima diferente por mais que tenha o mesmo tipo de comida isso é a cultura na empresa, ela tem um “ar” diferente.

 

É importante ter estratégia? Claro que sim! Mas empresas e times que têm cultura são muito mais fortes. Só estratégia não te dá diferencial competitivo, pois qualquer um faz. Basta pegar um final de semana, sentar a bunda na cadeira e fazer. Já a cultura é algo que você constrói ao longo de muitos anos e não é qualquer um que tem (inclusive a maioria das empresas não tem).

 

Então o que fazer primeiro? A estratégia vem da cultura ou a cultura vem da estratégia?

 

Seu primeiro passo desenhar uma estratégia, por ser algo mais “racional”. Com o tempo, conforme o cenário vai mudando, você vai mudando a estratégia (ou não). Dentro da sua estratégia você vai definir algumas coisas básicas, como valores, missão e visão. É muito importante tentar “bater nessas teclas” todos os dias e viver isso em todas as decisões. Não é apenas botar um quadro na parede dizendo que seu valor é ética, mas passar o fornecedor para trás. Obviamente aquilo será apenas um quadro na parede e as pessoas vão perceber que aquilo não tem valor real na prática.

 

A estratégia pode até ajudar a direcionar sua cultura se ela for bem vivida de verdade. A estratégia não vem da cultura, mas a cultura pode sim ser direcionada pela estratégia. Mas não confunda: a cultura não é uma estratégia. Você não consegue moldar a cultura 100%. O máximo que você consegue é querer uma cultura boa. Como que vai sair essa cultura lá na ponta, nós não sabemos e não temos total controle. O que vier no futuro fará você entender se foi o resultado que você esperava, melhor, pior, ou, talvez, simplesmente diferente.

 

Caso tenha interesse em evoluir mais em conhecimento, separamos para você uma aula gratuita  “Os 10 erros mais graves no começo de um negócio” imperdível para você que está iniciando nos negócios e para você que já tem um tempo de estrada mas ainda não atingiu todos os seu objetivos, você pode estar cometendo alguns desses erros…

Posts relacionados:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *