fbpx

Explicando Peter Lynch: nunca invista em uma ideia que não consegue desenhar com giz de cera.

Facebook
Twitter
LinkedIn

Afinal, o que o autor da frase quis dizer com isso? Fiz essa pergunta nas nossas redes sociais e não houve um acerto de verdade. Normal, os que tentam são os que aprendem, mas precisamos esclarecer isso aqui. Mas então, como vou entender o que ele quis dizer? São duas questões importantes que explicaremos a seguir.

Aliás, quem é Peter Lynch? Peter Lynch é um lendário investidor, fundador e gestor do fundo Fidelity Magellan, o maior fundo de ações do mundo. Atualmente, a Fidelity Magellan tem sob sua gestão mais de dois TRILHÕES de dólares, aproximadamente.

Em primeiro lugar, um problema de clareza do produto/serviço, quando vamos investir em um negócio, seja o que está começando do zero, seu próprio negócio, investimento em capital de risco (anjo, startup, venture capital) ou em um negócio maior (private equity ou uma ação na bolsa de valores), qualquer coisa, é muito comum que a gente se apegue a ideais mais complexos e que não estão muito claras como aquilo vai gerar valor. São questões que você demora muito tempo para “sacar”.

Se você como empreendedor ou investidor demora a entender ou tem dificuldade para explicar o negócio em si, imagina o consumidor comum?! Como você vai vender isso de forma fácil e em escala, se não está claro nem para você? Então, pode ser que seja uma ideia muito boa, mas na prática ela é difícil de aplicar porque é complexa. Produtos/serviços difíceis de explicar, em geral, são ruins ou estão fora do seu timming.

Há exceções, lógico, como caso seja um negócio B2B, que vende para empresas de setores específicos. Nesse caso, só aquele tipo de consumidor vai entender, mas, mesmo assim, tome um certo cuidado. É muito comum, principalmente para quem está tentando inovar, precisar trabalhar melhor essa ideia. Pode ser que não esteja no momento certo de ser investida ainda (timming). É uma ideia interessante, mas a população ainda não está preparada para esse tipo de ideia, não vai vingar (pelo menos não em grande escala).

E dentro desse mesmo contexto, quando é algo complexo e você não consegue ter uma ideia ainda muito clara do que aquilo ali faz, quais são os riscos dele etc., você acaba deixando passar riscos onde você não está.

O segundo ponto é o que o próprio Peter Lynch falava, ele só investe em negócios que conhece muito bem, não só como empreendedor/investidor, mas também como consumidor. Ele conhece e já consumiu aquele produto/serviço. Quando você é consumidor, já entende como é a dinâmica comercial daquilo no mercado de verdade, assim, tem muito mais clareza para enxergar todo o contexto daquele negócio, não só o contexto financeiro de números.

A maioria dos investidores amadores olham apenas para os números, mas não conseguem entender todos os outros fatores que influenciam contexto do negócio: concorrências, ameaças, fraquezas e diferenciais competitivos, questões de mercado, de marketing, regulatórias, de governos etc. Enfim, as vantagens e desvantagens desse negócio. Você acaba deixando passar riscos despercebidos.

Em geral, você consegue enxergar com muito mais clareza se já é consumidor daquilo e/ou se é uma ideia que você consegue explicar facilmente em um pedaço de papel. Se te der um giz e um quadro você consegue escrever e mostrar o que aquele negócio faz e qual é a ideia central por trás. Se for um negócio que você tem que elaborar demais para explicar, ou você não conhece muito bem, e você não está preparado para perceber onde estão os riscos e ameaças daquilo.

Quanto ensinamento em uma frase tão simples. Uma verdadeira lição para você no mundo dos negócios, seja como gestor, empreendedor ou investidor.

Posts relacionados: