fbpx

Custos estratégicos x Custos não estratégicos

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aumente seus gastos com custos estratégicos

Temos o hábito de falar em “custos” sempre como algo ruim, que deve ser sempre reduzido. Como disse Marcel Telles (3G, AB InBev): “Custos são como unhas, estão sempre crescendo. Periodicamente precisam ser cortados.” O trio da 3G, são conhecidos por sua obsessão por controle de custos. E quem somos nós para questionar um dos maiores empresários do Brasil e um dos maiores do Mundo?! Pelo contrário, concordamos plenamente e inclusive isso está escrito na parede da nossa empresa como um dos nossos 10 valores.

No ambiente de gestão de custos, existem algumas classificações, sendo a mais comum “Custo Fixo x Custo Variável”. Existem também classificações contábeis, como: “Custos x Despesas” ou “Custo direto x Custo indireto” ou outras mais avançadas. Neste artigo falaremos de uma classificação pouco conhecida, mas simples de entender e que gera muito resultado financeiro na prática. Você vai ter um grande diferencial competitivo em relação aos seus concorrentes, seja em um negócio pessoal, seja na empresa que você trabalha ou na sua profissão autônoma. Falaremos de “Custos estratégicos x Custos não estratégicos”.

Existe um tipo de custo específico em que essa filosofia se inverte completamente. Ou seja, com esse custo a decisão correta é aumentá-lo (gastar mais)! Calma, imagino que gestores mais tradicionais podem já estar à beira de um “mini-infarto” neste momento. Este é o chamado “custo estratégico”.

Então o que é o custo estratégico? É o tipo de custo que te gera mais resultado financeiro real. Quanto mais você investe naquele item, mais aquilo te traz retorno. Dois exemplos clássicos: Marketing e Vendas. Mas é preciso ter certeza disso, estar medindo exatamente onde foi investido, quanto foi investido e qual foi o retorno.

Se você investiu R$ 10 mil reais em um meio de Marketing e as vendas aumentaram R$ 20 mil reais, o que eu fazer? Gastar mais aqui, aumentar seu custo aqui! Muitos empreendedores ficam com medo, mas é isso que deve ser feito! Se gastou R$ 100 mil reais com mais vendedores ou mais canais de venda, e sua receita aumentou R$ 200 mil reais… GASTE MAIS AQUI! Vá aumentando aos poucos, mas enquanto o retorno estiver maior, sempre valerá a pena. Até o momento em que, lógico, você perceber que o retorno já não está acontecendo aqui mais ou que você tenha outra opção que gere retorno ainda maior (custo de oportunidade).

Mas cuidado, às vezes nós confundimos. Por exemplo, um “gerente de marketing” dentro do negócio não é um custo estratégico. Ele precisa estar lá, ele existe de qualquer forma. Você não vai ficar colocando vários gestores de marketing dentro do negócio. O que você pode fazer é investir em mais campanhas ou ter mais vendedores, mais canais de venda. Ou seja, o “gerente de marketing” entra no custo não estratégico. Se você gastar mais R$ 100 mil reais com mais 10 gerentes de marketing, provavelmente não terá um retorno maior e proporcional.

O restante dos custos que não te geram retorno real, quanto menos você conseguir gastar melhor. Ai sim volta a máxima “custo é igual unha”. Esses são os “custos não estratégicos”, que são a grande maioria inclusive. Então, em resumo, o que fazer:

  • Diminuir ao máximo o custo não estratégico
  • Aumentar ao máximo o custo estratégico (com resultado real mensurado)

Quanto mais você estiver gastando com “custo estratégico” e menos em “custos não estratégicos” em relação aos seus concorrentes, mais você irá conseguir ter esse diferencial competitivo para crescer no mercado. Para finalizar, apenas um lembrete. Não é o assunto do artigo, mas vale sempre reforçar ao falar de custos: cuidado com CUSTO FIXO, pois esse é o item que mata qualquer negócio!

Posts relacionados:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.