Em meio às sanções ocidentais, importações chinesas de petróleo russo aumentaram 55% em maio

Facebook
Twitter
LinkedIn

China comprou 8,42 milhões de toneladas do combustível, e líder chinês assegurou a Putin apoio em ‘soberania’ e ‘segurança’

 

O presidente russo Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jinping
SPUTNIK/ALEXEI DRUZHININ/KREMLIN VIA REUTERS/08.06.2018

 

As importações chinesas de petróleo russo aumentaram 55% em ritmo anual em maio, em um momento de sanções ocidentais contra a Rússia devido à invasão da Ucrânia, de acordo com dados oficiais publicados nesta segunda-feira (20).

A segunda maior economia mundial importou da Rússia 8,42 milhões de toneladas de petróleo, superando os envios de combustível da Arábia Saudita, que normalmente é o maio fornecedor da China.

Na semana passada, o presidente chinês Xi Jinping assegurou ao presidente russo Vladimir Putin sua colaboração em questões de “soberania” e “segurança”. Pequim anunciou um importante apoio diplomático a Moscou.

Os dados chineses foram publicados na semana em que o conflito da Ucrânia completará quatro meses e quando outros compradores evitam o petróleo russo.

Os números representam um aumento de 5,44 milhões de toneladas importadas pela China na comparação com maio de 2021.

A imprensa estatal informou no início do mês que a China está disposta a “intensificar a coordenação estratégica entre os dois países”.

O Kremlin anunciou que os dois presidentes concordaram em aumentar a cooperação econômica diante das sanções “ilegais” impostas pelo Ocidente.

Os países ocidentais adotaram sanções sem precedentes contra a Rússia em represália à invasão da Ucrânia. Moscou procura novos mercados e fornecedores para substituir as empresas estrangeiras que abandonaram o país.

 

Por R7

 

Aulas ao vivo P5M, toda 3ª feira às 20h. Ao vivo e gratuitas, as melhores aulas que você já viu (palavra de honra) sobre como dominar os investimentos, negócios, finanças e empreendedorismo. Clique aqui e se cadastre.

Posts relacionados: